Empoderando Vidas

                Oi, meu nome é Liliane, e deixe-me dizer rapidamente em que eu acredito.

             Cresci com mais do que apenas uma paixão por escrever.

Escrever sempre foi o meu sonho. Jornalista, servidora pública, blogueira. Impulsionada por amigos que gostam de ler as minhas aventuras amorosas e a minha forma de encarar a vida. Em 2014 criei a página “Papo Reto com Liliane Ribeiro” que traz à luz uma série de tópicos sobre o universo feminino e conta hoje com mais de 320 mil seguidores no Facebook.

A paixão por escrever floresceu com o sucesso da página, que resultou no meu primeiro livro em 2016 lançado na Bienal de São Paulo. Em 2017, participei do IIIº Salão do Livro em Lisboa e meu livro integra hoje o acervo da Biblioteca Nacional de Portugal.

Escrevo de uma forma clara e honesta para mulheres cis, gays enfim pessoas onde a identidade de gênero não está instalada em suas genitais, meus textos são inspirados por eventos reais, muitos estudos e conversas cotidianas explorando a beleza que surge dos contrastes dos sentimentos, do encontro à perda, da luta pela conquista ao arrependimento da mesma, dedicando-me através dos meus textos a transformar carência em empoderamento.

É hora de subir a  nossa pontuação, meninas. Que as melhores mulher vençam.

Com amor,

Não basta falar de amor é preciso ter vivenciado encontros e desencontros, para fazer com que o leitor se identifique a cada leitura, dando detalhes que o leve a imaginar o livro como se fosse o filme da sua vida.

rbgs-69

Para de tentar ser a parceira perfeita.

Não existe tal coisa como o/a parceiro(a) ideal. Assim, você pode desistir da esperança de estar livre de falhas. Somos humanos, caramba!

Essa ideia de ser perfeita é totalmente irrealista, coloca você em um estado constante de não se sentir bem com você e pode impedi-la de confiar em si mesmo.

Pode até acabar colocando uma tensão desnecessária no seu relacionamento.

Pense desta maneira: Relacionamentos são como instrumentos. Se você pretende escolher um violão por exemplo, sem nunca ter tocado um e tentar tocá -lo como um profissional, ficará frustrada e descontente, e poderá se afastar de uma coisa boa – perdendo-a antes mesmo de começar a aprender sobre ele.

Liberte-se dessas noções ultrapassadas de comportamento exemplar de parceiro(a).

Ser “muito legal” não é um sinal de maturidade emocional ou inteligência. Há coisas com as quais você deve se preocupar, como se seu parceiro é infiel ou negligente.

Algumas situações exigem certas reações, e essa ideia de pessoas sendo “demais” ou “o máximo” é destrutiva. Isso leva você a fingir que as ações prejudiciais de seu parceiro não a incomodam- o que priva seu relacionamento de proximidade e conexão verdadeiras.

O que precisamos aprender é como regular as nossas emoções. Como você chora, grita, fica com raiva … e depois se acalma. Ao fazer isso, você está dando ao seu parceiro uma chance de conhecê-lo de verdade, o que ele ou ela tem que incomoda você e como você lida e resolve seus sentimentos. E sim, o parceiro certo ainda vai te amar quando você se abrir para ele dessa maneira.

Nos relacionamentos, geralmente há um lado mais carinhoso, um ombro para chorar, o rock emocional. Mas sempre estar lá para os outros às vezes pode fazer você esquecer de cuidar de você.

E tentar ser solidário e edificante todo o tempo pode fazer você duvidar de si mesmo, perguntando “Eu disse isso mesmo? Eu fiz a coisa certa? E eu, onde fico?

O desafio fundamental é descobrir como encorajar a outra pessoa, mantendo a sua própria identidade e individualidade.

Em vez de aderir à “coisa certa a fazer”, você deve encontrar sua própria voz. Isso pode significar afastar-se quando você se sentir sobrecarregada ou permitir que seu parceiro resolva os problemas dele ou dela sozinhos. Como gente grande.

Uma pessoa que tenta ser a parceira perfeita sente que deve fazer tudo junto e da forma mais do que correta, como se isso fosse natural. Mas, na realidade, você tem permissão para cometer erros, procurar por si mesmo e não ter todas as respostas sobre quem você realmente é.

Muitas das minhas amigas dizem coisas como: “Quando conheci meu parceiro(a), ele(a) era tão equilibrado(a). Mas agora que estamos juntos, descobri que nada disso era verdade. ”

Se você começar um relacionamento na suposição de que você tem tudo planejado, você está se preparando para um estresse mais tarde. Seu vínculo será baseado em expectativas irreais, e seu parceiro pode ficar ressentido quando você revelar seu verdadeiro eu.

Em vez disso, tente aprender a se sentir bem consigo mesmo, mesmo quando estiver falhando, e apresente essa versão real para parceiros em potenciais. Isso prepara você para ter um vínculo baseado na confiança e na verdade. Você saberá se ele ou ela gosta é atraído (a) por você por quem você realmente é, evitando separações mais tarde. -LilianeRibeiro

O DESEJO SEXUAL DA MULHER E A FALTA DE TATO DO HOMEM

Aprendemos muito sobre o desejo sexual das mulheres nas últimas décadas.
Quando os sexólogos eram na maioria homens, o desejo sexual – ou “libido” – costumava ser considerado como algum tipo de pressão hidráulica no corpo, Como a pressão que a maioria dos jovens sente quando precisa ejacular.

Mas o modelo hidráulico não se encaixa nos fatos do desejo sexual da maioria das mulheres. A maioria das mulheres precisa de um motivo para fazer sexo. Caso contrário, podem passar um longo tempo sem sentir desejo.
Os homens precisam de um motivo para ter sexo também. Mas para a maioria dos homens, a razão pode ser tão simples quanto um olhar, por exemplo.

A maioria das mentes dos homens tende prontamente a dizer “sim” ao sexo. Considerando que a maioria das mentes das mulheres tende a dizer “talvez” ou “isso depende”.

Quando um casal hétero não está fazendo sexo, o parceiro quase sempre se masturba regularmente enquanto as mulheres pararam de se masturbar ou raramente o fazem.
Na ausência de sexo como ela funciona, é como se o desejo sexual da mulher tivesse acabado de dormir. O sistema de desejo sexual de uma mulher fica no modo de espera até que alguém mova o mouse.
O desejo sexual das mulheres e o sexo bom
As pessoas têm opiniões muito diferentes, é claro.
Mas tendo discutido o assunto com muitas centenas de mulheres ao longo dos anos, acho que as noções de bom sexo da maioria das pessoas envolveriam uma excitação autentica – não apenas dura ou molhada.
Pela minha definição, você não está realmente excitada, a menos que tenha perdido muitos pontos de QI.

A verdadeira excitação autêntica também deve fazer você se sentir bem consigo mesmo. E sobre o seu parceiro também – é quando você grita para você “SIM, é isso que eu gosto!” Caso contrário, sua mente pode facilmente entrar no modo de proteção de tela, e o desejo sexual pode se desligar completamente.

Mas muitos casais não sabem reconhecer a excitação sexual autêntica. Eles acham que, se estão duros ou molhados, estão prontos para fazer sexo. Isso leva a muito sexo ruim, já que a dureza e a umidade não são suficientes para mover o mouse.
Você não pode nutrir o desejo com sexo ruim. Apenas o bom sexo pode nutrir o desejo em um relacionamento.

Engraçado, eu só falo o óbvio, né? Mas muitos casais que vejo em meu escritório nunca se preocuparam em refletir sobre esses fatos simples. Justamente porque duro e molhado para a maioria significa estar no jogo.
Como o desejo sexual das mulheres confunde os homens
Escrevendo sobre sexo percebi que o desejo sexual das mulheres heterossexuais às vezes confunde os homens. Eis o porquê: A maioria das mulheres não querem apenas sexo. Elas querem se sentir desejadas antes das preliminares.

Se uma mulher não se sente desejada primeiro, o sexo pode não parecer tão atraente.
Espere Liliane, você diz que nem todos sabem o quanto é importante para a maioria das mulheres se sentir desejada?
Exatamente. Muitos dos homens que conheço não têm ideia de como isso é importante para o desejo sexual de nós mulheres.

Agora, aqui está algo que eu acho que confunde a maioria dos homens: para se sentir desejada, uma mulher pode às vezes se afastar de seu parceiro – na esperança de que ele venha correndo atrás dela. Isso é tão estranho para a média da mente masculina que poucos homens entendem.

Meninos, que tal aprender com o comportamento sexual de ratos fêmeas?
Certa vez, assisti a uma convenção de terapia sexual onde o pesquisador mostrou vídeos de ratos fazendo sexo. A parte mais interessante acabou sendo as preliminares.

Pelos padrões humanos, os ratos machos são todos ejaculadores prematuros – então o sexo dos ratos é tipicamente muito curto. Mas as preliminares dos ratos podem continuar por muito tempo.

A ratinha corre na frente do rato macho, chama sua atenção e depois se afasta. Com alguma sorte, ele se interessa e vai atrás dela. Ele fica nessa perseguição por um longo tempo, antes que ela finalmente permita que ele a tenha.
O desejo sexual das mulheres muitas vezes parece ser tanto pelo prazer de ser perseguido quanto pelo que acontece depois.

Agora, claro, há exceções. Assim como existem exceções para todas as generalizações que você pode fazer sobre sexo e gênero. Há uma quantidade enorme de diversidade no acasalamento humano. Conheço alguns homens que têm um anseio anormalmente forte de serem desejados também.
Mas o fato de que o desejo sexual de muitas mulheres pode se manifestar pelo desejo de fugir o que normalmente causa muita confusão em casais heterossexuais.

Dever para levar para casa: se você estiver em um relacionamento sério, observe quando ela pode estar se afastando de você. Se isso acontecer, tenha em mente a possibilidade de que isso seja uma manifestação de seu desejo – e que, assim como a ratinha, ela pode estar esperando que você comece a perseguição.
Mantenha isso em mente. Você pode me agradecer mais tarde.

Miriam e Liliane finalmente o sim

Adorei a postagem @GraceVignate

Aconteceu virou manchete

Não participe do nosso casamento caso você não tenha recebido o Convite, Abrimos exceção para bombeiro no caso de um ou mais convidados estejam em chamas. Experiências vividas por mim de vários casamentos bissexuais demonstram que a curiosidade mata. Na maioria das vezes os “amigos” bem intencionados de amigos que nunca viram um casamento gay ficam muito curiosos. Isso não é legal. Você vai a um casamento porque se importa conosco como casal, nos conhece e quer apoiar o nosso amor, não porque você acha que será divertido para melhorar o seu repertório de assuntos. Se você quer uma experiência cultural divertida e edificante, vá a um museu, não ao nosso casamento.

2. Não use o seu RSVP ou a “aba mensagem para as noivas” para expressar suas diferenças sobre casamento gay, bissexual, de sapatas ou como você preferir. Se você não quiser comparecer, apenas marque “declined”, você não precisa…

Ver o post original 121 mais palavras

Aumenta o número de mulheres pós meia idade saindo do armário.

                 A ideia de se apaixonar por outra pessoa do mesmo sexo pode nunca ter ocorrido antes para muitas mulheres que hoje se encontram em relacionamentos homoafetivos. No começo, a mulher, até então, heterossexual, não tem certeza se o que sente é por mulheres em geral, ou apenas por uma pessoa em particular. E aos poucos percebe que ser bissexual não é nada incomum.

                 Ao passar por essa experiência, em busca de explicações a escritora e blogueira Liliane Ribeiro da página Papo Reto, decidiu entrevistar outras mulheres que se apaixonaram por mulheres após a meia idade. “Mulheres de todo país começaram a me contatar, fiquei impressionada com a quantidade de pessoas que conhecia alguém, ou passavam pela mesma situação. Se me perguntassem há dois anos sobre isso eu teria respondido que sei exatamente quem e o que eu sou e terminaria a frase com um célebre – que nojo!” disse Liliane, 52.

                Uma boa parte das mulheres que descobre sua bissexualidade  passa dos 30 anos ou mais e isso tem atraído à atenção crescente da mídia nos últimos anos, virando assunto de novelas, filmes etc. Nota-se o aumento também do número de atrizes que falam abertamente sobre suas paixões homoafetivas após seus relacionamentos heterossexuais. Na terra do Oscar, por exemplo, Cynthia Nixon, que interpretava Miranda em Sex and the City, vivia um relacionamento heterossexual por 15 anos, teve dois filhos, antes de se apaixonar por sua atual parceira, Christine Marinoni. A atriz Portia de Rossi era casada com um homem antes de assumir sua bissexualidade e se apaixonar pela comediante e apresentadora de talk shows Ellen DeGeneres, com quem se casou em 2008. Fernanda Gentil assumiu, em 2016, o namoro com a também jornalista Priscila Montandon. Bruna Linzmeyer, Daniela Mercury a jornalista Malu Verçosa, estão em outros casais anteriormente héteros que hoje esbanjam alegria e cumplicidade em seus relacionamentos. Recentemente foi notícia internacional o primeiro casamento entre mulheres realizado no Hotel Copacabana Palace em seus 95 anos de história. Em uma cerimônia judaica trocaram alianças. a farmacêutica Roberta Gradel e a economista Priscila Raab.

                  O assunto tem atraído também à atenção acadêmica A Associação Americana de Psicologia, em San Diego, possui uma série de pesquisas e estudos sobre a vida de mulheres que experimentaram a atração pelo mesmo sexo depois de viverem casamentos héteros .

               Um dos estudos concluiu que é possível fazer uma transição completa da identidade heterossexual para a identidade bissexual. A sexualidade é mais fluida e mutável do que se suspeita em muitos casos. A possibilidade de atravessar fronteiras sexuais aumenta à medida que as pessoas envelhecem talvez por se tornarem mais  independentes.

                    “Cada uma das 90 mulheres que conversei e que passou por uma transição disse não ter sido algo tão simples. Eu acho que a cultura tende a acumular mudanças e escolhas, como se fossem o mesmo fenômeno, mas não são. A puberdade envolve muita mudança, mas você não a escolhe. Existem transições de curso de vida que estão além do nosso controle”, disse a escritora.

                      A afirmativa comum a todas as mulheres entrevistadas foi: “Eu me apaixonei pela pessoa e, não pelo gênero”. O gênero é amplamente irrelevante na escolha de parceiros sexuais. Os valores estão além do sexo para essas pessoas. Ecoa entre as mulheres bissexuais, que auto se intitulam sapatões, que os relacionamentos com mulheres são muito mais intensos do que com o sexo oposto. A maioria das mulheres com quem conversei estão felizes com seus pares .

                 Contudo a ideia de que a bissexualidade possa aflorar com o tempo não é bem-vinda por todos; A homoafetividade ainda é muito estigmatizada, e a noção de  talvez não saber tudo sobre você é aterrorizante. É por isso que pesquisas nessa área são tão importantes.

               No caso da bissexualidade, segundo  Liliane Ribeiro, as mulheres na idade adulta são as mais propensas a vivenciarem novas experiências independentemente do que tenham vivido no passado. Aos 52 anos a escritora se prepara para o seu casamento  em setembro na cidade do Rio de Janeiro com Míriam Gomes, 54 anos que conta com o apoio dos filhos de ambas. A festa promete abalar a cidade do Rio de Janeiro e contará com a presença de famosos. “Sinto que sou excelência quando o assunto é amor” brinca a escritora que escreve sobre o tema relacionamento e empoderamento feminino. “Se for para sofrer ou para morrer, que seja por amor”.

Foto Convite Virtual (1)
Convite Virtual de Casamento