Empoderando Vidas

             Cresci com mais do que apenas uma paixão por escrever.

       Jornalista, servidora pública blogueira. Impulsionada por amigos que gostam de ler  a minha forma de encarar a vida, em 2014 criei a página “Papo Reto com Liliane Ribeiro” que traz à luz uma série de tópicos sobre o universo feminino e conta hoje com mais de 320 mil seguidores no Facebook.

Meu primeiro livro foi lançado em 2016 na Bienal de São Paulo. Em 2017, participei do IIIº Salão do Livro em Lisboa e meu livro integra hoje o acervo da Biblioteca Nacional de Portugal.

Escrevo de uma forma clara e honesta para mulheres cis, gays enfim pessoas onde a identidade de gênero não está instalada em suas genitais, meus textos são inspirados por eventos reais, muitos estudos e conversas cotidianas explorando a beleza que surge dos contrastes dos sentimentos, do encontro à perda, da luta pela conquista ao arrependimento da mesma, dedico-me através dos meus textos a transformar carência em empoderamento.

Não basta falar de amor é preciso ter vivenciado encontros e desencontros, para fazer com que o leitor se identifique a cada leitura, dando detalhes que o leve a imaginar o livro como se fosse o filme da sua vida.

rbgs-69

Eu nunca quis ser mulher de uma noite só

Eu nunca quis ser mulher de uma noite só. Eu não posso me doar para um estranho ou para alguém que eu conheci há vinte minutos atrás. Eu não quero sexo se ele não significar nada. Eu não quero que você me toque, se você não se importa comigo. Eu não quero um beijo seu, se tudo o que você vai fazer é sair de manhã sem dizer uma palavra. Não quero ser apenas um corpo para alguém.

#motivacao #feriadinho #novolook #menininha #força #livro

Quando gosto de alguém, gosto muito de a

Quando gosto de alguém, gosto muito de alguém. Eu nunca fico em cima do muro quando se trata de meus sentimentos. E quando eu realmente digo não mais, eu realmente não quero mais. Para mim, quando o assunto é relacionamento ou amizade não há “se” “mas” ou pontos interrogação.

Passamos tanto tempo tentando descobrir

Passamos tanto tempo tentando descobrir se a pessoa que amamos nos ama que nos esquecemos de desfrutar o amor pelo que ele é, o momento, o tempo que existe. Passamos dias imaginando, gastando nossas ponderações sobre como podemos fazer para que o relacionamento dure para sempre. A verdade é que ninguém pertence a ninguém e a idéia de sempre é uma doce fantasia alimentada por filmes e novelas.

A única maneira real de amar é amar no momento. Ame nos momentos de silêncio no sofá. Ame no silêncio do quarto e no silêncio dos filmes que vocês assistem juntos. Ame de casa ao ponto de ônibus. Ame no momento da mensagem de texto que você recebe. Pare de focar no que vai dar. Concentre-se em amar no presente, no segundo, no momento.

É assim que o amor verdadeiro acontece. É assim que o amor duradouro acontece. Não é o tipo de romance do cinema, não são gestos grandiosos e confissões agonizantes. O amor, amor verdadeiro, está no silêncio de uma tempestade e você enrolada com quem ama se sentindo segura. O amor está no silêncio de um quarto de hospital quando você percebe que a pessoa que você ama está sofrendo ao seu lado. Ame no caminho de volta para casa sentindo o cheiro de comida quente no fogão e os braços mais quentes te esperando. O amor mente nos pequenos momentos que as pessoas muitas vezes olham para o passado acreditando que poderiam ter tido mais ou vivem o presente buscando “quem sabe outras emoções”.

Ame aqui, ame o momento, não troque o momento pela eternidade, e eu prometo que o amor não falhará com você.

Nunca apreciei o tipo de humor onde as p

Nunca apreciei o tipo de humor onde as pessoas tiram sarro uma das outras ou usam umas as outras.
Todos nós temos capacidade de nos adaptar, aprender e crescer com as diferenças. Temos crenças, esperanças e sonhos, mas odiamos em nome do amor. Construímos muros de preconceito respaldados por uma falsa segurança contra o desconhecido. Fazemos isso porque na verdade somos piores do que as pessoas que queremos evitar, por serem ou pensarem diferente da gente,

#motivacao #feriadinho #menininha #força #fé #foconadieta #livros #lovewins

Seja autor da sua própria história e deixe-me ser feliz

Eu não preciso aceitar as histórias que outros escrevem sobre mim.
Eu não tenho que ser o personagem que eles querem que eu seja.
Eu não tenho que dar a eles o final “feliz” que eles querem. A minha história não é a história de ninguém. É minha e eu não vou deixar que ninguém tire a caneta das minhas mãos. Caso seja preciso escrevo com pedras.

Querem que eu seja a vilã para que eles possam dormir melhor à noite ou querem me descrever como vítima, para que possam se sentir poderosos e donos da verdade.

Eles querem me qualificar como a alma louca, rebelde e perdida, para que eles possam sentir que têm alguém para guiar, enquanto eles são os que realmente precisam de orientação. Eles querem que eu apareça como uma pecadora perdida para justificar a crença de que eles carregam a salvação.

Algumas pessoas tentarão sempre escrever e contar a sua história do jeito que elas querem, porque todo mundo quer ser o herói em sua própria história, ninguém quer ser o o julgador, a inquisição que mata a sua liberdade e não respeita a sua verdade.

E quando você bate o pé e é feliz contrariando todo pensamento distante do seu e muda essa narrativa, eles se afastam porque mudar o roteiro deles significa assumir o erro cometido tentando impedir a felicidade do outro.

Alterar o script significa recomeçar. Mudar o seu roteiro significa expor as suas verdades e as mentiras dos outros e pessoas adoram viver mentiras – histórias fabricadas que para que eles possam se glorificar.

Mas eu não sou assim. Eu escrevo a minha história do jeito que eu quero, do jeito que eu me sinta feliz.

Eu não escrevo mentiras e acredito nelas. Eu não escrevo uma realidade falsa para impressionar as pessoas. Eu escrevo tudo que elas tentam apagar, encobrir, renegar.
Eu escrevo todas as palavras que elas não querem que eu diga em voz alta. Eu posto fotos, vida, felicidade que fazem com que elas pensem nas maldades que elas insistem insistem em carregar. Eu conto as histórias que elas não querem que ninguém saiba. Eu as deixo cara a cara com as amarguras e o ódio que cultivam dos quais se alimentam.

Mas mesmo que quebrem todos os meus dedos, ainda terei a minha voz e mesmo que me impeçam de falar ainda pensarei e o meu olhar, a minha existência os confrontará.
Porque a minha história sempre glorificará minha honestidade enquanto as história de alguns glorificam suas máscaras.

E talvez seja por isso que não podemos ler a mesma história, talvez seja por isso que algumas pessoas não consigam entender a minha felicidade, talvez seja por isso que tentam incansavelmente e sem sucesso apagar a minha luz.
E talvez seja por isso que a minha alegria perturbe tanto, contudo terão que conviver com ela e mesmo que se afastem receberão notícias da mulher, filha , mãe e escritora que não têm medo de ser feliz. -LilianeRibeiro

#CasamentoMiriameLiliane