O QUE APRENDI COM A TRAGÉDIA DE CHAPECÓ

Nada nos ajuda a entender a efêmera beleza da vida mais do que a morte. Nada nos ajuda a entender o que é importante na vida mais do que a morte.

Na vida o mais importante são as pessoas que nos rodeiam. O elo, o vínculo, o amor, as histórias, os exemplos que damos e as memórias que compartilhamos.

Estes são os grandes dons da vida, e a morte nos ensina a agarrá-los, porque sabemos que eles não vão durar para sempre.

Pensamos que sabemos tudo sobre a vida como o piloto, dona da empresa que conduzia aquele avião. Ele tinha “certeza ” de que nada aconteceria ao fazer mais uma das tantas  horas de vôos que ele fez no conta gotas do combustível. Para não pagar a multa, ele que sabia tudo sobre a vida, recebeu o troco da morte. Pensamos que sabemos tudo, mas na ralidade não sabemos nada até sermos acometidos pela morte.

O que a tragédia de Chapecó nos ensina ? É impossível não aprendermos nada com o ocorrido.  Eu aprendi que:

1. Não podemos desistir de amar

 

 

O amor é universal e transcendente; Não conhece fronteiras e chega muito além da fisicalidade deste mundo.

2. Não somos nada

Todos nós gostamos de ter um senso de controle sobre a nossa vida. Se não nos organizamos, se não seguimos regras e se não trabalhamos dentro da estrutura da sociedade, vivemos em um estado de caos.

Quando alguém morre, você percebe que a vida não é permanente e que nada vai durar para sempre, não importa quanto controle você tente exercer. Quanto dinheiro você tem, quantas mulheres e homens você teve, qual a sua profissão ou quantos likes você tem na Rede Social.

A vida é como uma partida de futebol. A vida é como um gol. A torcida e as jogadas do artilheiro são a beleza do jogo, mas depois da comemoração da vitória , o gol cai no esquecimento, desaparece. O troféu, a medalha  que uma equipe ganha é a jornada compartilhada e a expressão profunda de nossas vidas. É um para todo o clube, porque a vida,  por mais individual que sejamos, ela é compartilhada.

3. O poder de aceitação

O processo de luto é difícil.

É importante aceitarmos que os jogadores e jornalistas foram embora é preciso seguir em frente. A gente não pode avançar sem aceitação. Existe um caminho a ser trilhado.

4.  As Perdas e as lutas mantêm as sementes da transformação.

A vida é um processo contínuo de luta, transformação e crescimento. Embora nem sempre pareça óbvio, se você olhar para o crescimento você pode sempre rastreá-lo de volta para a luta que o precedeu.

5. O poder da consciência

É possível passar por longos períodos de vida sem expandir nossa consciência.

Antes da morte de um familiar ou amigo nossa consciência é limitada. Vivemos como se estivéssemos em uma bolha segura, onde nada irá nos atacar.

Não questionamos a vida e não questionamos as escolhas que fazemos. Não temos a sensação de que nosso tempo é limitado, nem enxergamos a vida como um presente e por isso não a valorizamos. Brincamos com a nossa e com a dos outros. Queremos tirar vantagem de tudo e de todos porque temos certeza de que estaremos aqui amanhã.

A morte inesperada dessas pessoas nos desafia  a questionar a nossa visão da nossa vida e o que fazemos com ela.

6. O poder da presença

Passamos a maior parte do meu tempo tentando cobrir as necessidades básicas das nossas famílias, nos esforçando para ter sucesso, mesmo que para isso seja “necessário”pisar no outro. E para quê? Para vadearmos através do bombardeio do materialismo, que nos consome.

Quando me sinto distraída com o “material” na minha vida, tento dar um passo para trás e  concentrar -me nas coisas mais emotivas que me fazem sentir viva e presente, quero fazer diferença hoje porque amanhã pode ser tarde demais.

O paradoxo da morte nos aponta para o que significa estar vivo.

7. O poder da conexão

 

Esses eventos como o de Chapecó, nos humilham e nos abrem para a possibilidade de acordarmos enquanto é tempo e pisarmos no nosso ego. Isso nos dará uma chance de nos reconectarmos com algo maior do que nós mesmos e fazer o que é realmente importante para a nossa vida e a vida daqueles que nos cercam.

A morte é poderosamente esclarecedora, mas  não temos que esperar que alguém morra para mudarmos a maneira como vivemos.

Cada dia temos a oportunidade de criar uma vida, um relacionamento com propósito e significado.

A vida é breve. #LilianeRibeiro

21962903

Publicado por Papo Reto com Liliane Ribeiro

Liliane Ribeiro, autora incrível, com uma abordagem inspiradora e engraçada do universo feminino. Com 3 livros publicados no Brasil e Portugal. Seu primeiro livro faz parte do acervo da Biblioteca Nacional de Portugal.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: