POR QUE MUDAMOS?

Por que mudamos?
Nos apaixonamos olhando nos olhos do outro e ouvindo uns aos outros, e se continuássemos a olhar e a ouvir com o passar do tempo da mesma maneira atenta e aprovadora do início não passaríamos pela experiência de um rompimento. 
Você provavelmente deve ter boas lembranças de inícios de relacionamentos passados ou até mesmo desse seu relacionamento presente de quando ele começou. 
Você se lembra como tudo era novo e emocionante? Os beijos eram intensos, os abraços eram tão apertados que pareciam ser eternos? E quando o prédio balançava quando vocês se entregavam? Tudo era entrega e doação. Bastava passarem horas apenas conversando ou experimentando coisas novas ou até mesmo um passeio na rua, tudo era excitante.
 No entanto, conforme o tempo foi passando, o dia a dia, quem sabe as crianças, o trabalho, o trânsito ou mesmo objetivos diferentes, a Rede Social, o Whatsapp, a sua imaginação fértil  e outras obrigações tomaram o tempo que vocês tinham para passarem juntos.

 

Muito da comunicação ao vivo e o toque foram substituídos por uma comunicação de tela digital. Embora isso seja muito bom para alguns propósitos, não afeta positivamente o cérebro e o sistema nervoso da mesma forma que a comunicação face a face. 
As sugestões emocionais que precisamos para nos sentirmos amados só podem ser transmitidas pessoalmente. Não adianta. 
Sem  investimento do cara-a-cara de qualidade, de tempo, e de compreensão das necessidades do outro todo sentimento acaba sendo corroído e quando você se dá conta não sobrou nada do que tinha tudo para ser eterno. Em 2017 cuide do seu amor para que ele não vire dor. Ah, se continuássemos a olhar e a ouvir… #LilianeRibeiro 
Liliane Ribeiro é jornalista, blogueira e autora do livro ” Papo Reto com Liliane Ribeiro ” à venda nas melhores livrarias em todo Brasil. Adquira o seu! ❤

Publicado por

Papo Reto com Liliane Ribeiro

Conselheira, espírito nômade, mediadora, inovadora, despudorada e bem-humorada é assim que me auto-defino. Escrevo o que sinto e o que penso sem a preocupação de agradar ao leitor. Escrevo para seres humanos que amam e querem ser amados sejam eles homens , mulheres, heterossexuais, homossexuais, trans, ricos ou pobres. A linguagem do amor é universal ela não faz distinção de pessoas, basta estar vivo para morrer de amor. Talvez seja exatamente por isto que as pessoas se identificam com a minha linguagem. O meu objetivo é empoderar pessoas para que elas não caiam nas ciladas que a paixão nos prepara e se caírem, que se levantem o mais rápido possível para seguirem a viagem insólita que é a busca do par perfeito.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s