A DESPEDIDA 

Já não nos despedimos mais …

Nós simplesmente deixamos de responder   mensagens. Deixamos de atender telefonemas.

Mudamos de endereço.

Nós fingimos que não conhecemos essas pessoas quando as vemos, agimos como estranhos, agimos como se a dor do outro  não nos machucasse  subestimando-.a.  

Nós somos não  consideramos  sentimentos e nem sequer dizemos uma palavra gentil, nem  damos um abraço caloroso e nem perguntamos  para garantir se o outro está bem.

Nós nos tornamos distantes, quase invisíveis, então as pessoas  nem tentam nos alcançar. 

Nós as vemos e pegamos outro caminho, então nem nos olhamos nos olhos para sabermos  a maneira como elas nos olham. Não queremos lembrar que somos a razão da sua  tristeza.

Dizemos adeus pouco depois de dizer oi. Dizemos adeus antes de conhecê-las. Dizemos adeus antes de entendê-las e dizemos adeus sem mesmo ouvir o que elas têm a dizer ou como elas se sentem.

Tomamos essa decisão de forma egoísta porque egoísmo é  tudo o que sabemos ser. Dizemos adeus porque encontramos algo melhor, algo mais emocionante, algo que queremos mais, então deixamos as pessoas como bolas de tenis, substituindo-as facilmente, enquanto continuamos jogando nosso jogo.
Dizemos adeus e não esperamos que alguém se machuque porque não prometemos nada, não devemos nada, nós propositadamente mantivemos as coisas sem compromisso divertidas para que ninguém leve nada a sério, ou pelo menos é o que esperamos. Convencemos a nós mesmos de que não as vimos, de que não as fizemos apaixonar por  nós e depois decidimos não pegá-las

Já não nos despedimos. Não explicamos. 

Nós não tentamos nos certificar de que a outra pessoa esteja bem. Nós simplesmente tiramos ela de nossas vidas. Nós namoramos a próxima pessoa, nós reservamos a passagem de avião para ela, nós deixamos o país e tomamos decisões sem reconhecer que alguém estava nos esperando, alguém queria fazer parte de nossas vidas, alguém queria planejar seu futuro à nossa volta.

Então, deixamos e nem  olhamos para trás e nem tentamos voltar. Nós deixamos porque deixar é mais frio, deixar é mais forte, deixar dá a você o controle da situação , então continuamos saindo em vez de ficar e nos perguntamos por que acabamos sozinhos ou em relacionamentos insatisfeitos e infelizes. 

Já não nos despedimos, dizemos, deixe-me em paz. Eu não quero você. Você não vale o meu tempo. Não me arrependo de romper seu coração porque ele nunca foi meu. 

Liliane Ribeiro  é autora do novo livro Papo Reto com Liliane Ribeiro , disponível em todas as livrarias do Brasil.


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s